São Paulo cria Regime Optativo de Tributação para simplificar ICMS-ST

5 de maio de 2021 às 14:24

O estado de São Paulo realizou uma mudança para simplificar o ICMS-ST (substituição tributária) e implementou o chamado ‘Regime Optativo de Tributação’. A modalidade foi criada com o objetivo de cumprir a decisão de 2016 do Supremo Tribunal Federal (STF), a qual afirma que as Unidades Federativas possuem a obrigação de restituir os valores de ICMS-ST pagos a mais em casos de produtos serem vendidos por valores menores que o pré-determinado. 

Em 2019, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) estabeleceu o Regime Optativo de Tributação. Estados como Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul já implementaram o sistema. 

Dessa forma, é possível que as indústrias não precisem devolver às varejistas as quantias pagas à maior. Entretanto, os governos estaduais não podem realizar cobranças ao contribuinte caso tenham sido recolhidos valores menores. 

Previsto no Decreto nº 65.593, de 26 de março de 2021, o Regime Optativo de Tributação também estabelece que o prazo mínimo de permanência no sistema é de um ano, além de registrar a possibilidade da Fazenda descredenciar um contribuinte do chamado ROT — entretanto, não foram citados motivos para a ação. Ainda serão divulgados os setores que poderão aderir à modalidade. 

No ano de 2020, o estado de São Paulo arrecadou R$25 bilhões através da substituição tributária — regime no qual os impostos são recolhidos pelos fabricantes ou importadores da cadeia produtiva por meio de uma estimativa de preço do produto. Conforme a Secretaria da Fazenda e Planejamento de São Paulo (Sefaz-SP), os varejistas realizaram o pagamento de aproximadamente R$2,3 bilhões de complemento. 

Em nota enviada ao Jornal Valor Econômico, a Sefaz -SP afirma que o objetivo do Regime Optativo de Tributação “é retomar a definitividade da substituição tributária, na qual o contribuinte não poderá solicitar ressarcimento do imposto retido por antecipação quando o produto for vendido por um valor menor que a base de cálculo do ICMS-ST, assim como o Estado não poderá cobrar o complemento quando o preço praticado para o consumidor final for maior que a base de cálculo utilizada na retenção”.

Eduardo Tisatto, consultor tributário da Dr. Fiscal, acredita que o regime optativo no estado de SP visa simplificar as operações. “Caso o contribuinte opte pela adesão, não deve pagar complemento nem possui direito de pedir restituição de valores pagos a maior”, afirma o consultor. Ele reforça ainda que é necessário realizar uma análise cuidadosa para avaliar os impactos de uma possível adesão.

A Dr. Fiscal pode ajudar você

Caso opte por não fazer parte do Regime Optativo de Tributação, você mantém o seu direito de pleitear a restituição de créditos tributários. Esse é um direito garantido inclusive às micro e pequenas empresas.

Com o Diagnóstico Tributário, a Dr. Fiscal pode revisar os últimos 60 meses de escrituração fiscal do seu negócio em busca de potenciais créditos a serem recuperados. Isso ocorre por meio de um cruzamento entre o Banco de Dados de Documentações Fiscais do cliente e a Base Centralizada de Regras da Dr. Fiscal, que possui mais de 5 milhões de itens cadastrados.

Ficou interessado? Clique aqui para entrar em contato com um de nossos franqueados e agende uma análise gratuita do seu potencial de créditos.

compartilhe
Bruna Fonseca
Escrito por
Bruna Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Relacionados
$("form.mailster-form.mailster-form-submit.mailster-ajax-form.mailster-form-4 select#mailster-assunto-select-4").change(function(){ var select = $(this).children("option:selected").val(); $('form.mailster-form.mailster-form-submit.mailster-ajax-form.mailster-form-4').attr('name', select); });